18 Out 2021

Atiradores dispararam na madrugada desta quarta-feira contra participantes de uma "festa paredão", em Salvador, matando seis pessoas.na travessa Oito de Dezembro, no bairro do Uruguai. Outras 15 ficaram feridas.

Publicado em Foto do dia
Sexta, 03 Maio 2019 14:50

Estupro e impunidade

Não é uma “cultura”: esse crime tem nome e sobrenome.

Publicado em Perspectivas

Levantamento na zona oeste do Rio de Janeiro, considerada um laboratório das primeiras operações da intervenção federal na segurança da cidade, mostra que roubos, furtos, mortes violentas e apreensões voltaram a crescer depois da saída das Forças Armadas. Os dados, somados a operações desastradas, como a que resultou na morte do estudante Marcos Vinícius da Silva, 14 anos, atingido por uma bala na comunidade da Vila Pinheiro, Complexo da Maré, mostram que o modelo da intervenção ainda está longe de obter sucesso. No entanto, ao menos mudou um pouco a situação anterior, em que o Estado deixava o território entregue passivamente ao crime organizado. 

Publicado em Assuntos Nacionais
Segunda, 25 Junho 2018 14:06

Uma camisa manchada de sangue

Um estudante morre assassinado a tiros, no caminho para a escola, no complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Ele se chama Marcos Vinícius da Silva e tem 14 anos. Moradores afirmam que, na hora do fogo cruzado, tiros estavam sendo disparados do helicóptero da Polícia Civil, que do alto dava apoio à operação e que, segundo a polícia, também se destinava a garantir a "segurança" de toda a população. Ainda não se sabe de onde partiu o tiro que matou Vinicius. Segundo sua mãe, a empregada doméstica Bruna da Silva, antes do último suspiro, o menino disse que o tiro partiu de um blindado. Nas redes sociais, já começam a circular posts dizendo que o estudante tinha ligações com o tráfico.

Publicado em Perspectivas
Quinta, 15 Março 2018 20:31

Poder de polícia

Publicado em Jcaesar

Quando anunciou a intervenção no Rio de Janeiro, o presidente Michel Temer colocou as Forças Armadas como o grande  trunfo para debelar a violência e combater o crime organizado. Ao tomar posse hoje, o interventor nomeado, general Walter Braga Netto, mostrou que a primeira preocupação em seu plano é preservar as Forças Armadas do desgaste em uma missão para a qual os militares não têm vocação nem obrigação constitucional. Segundo ele, a sua principal tarefa será reorganizar as forças civis de segurança, no papel de inteligência da operação,  coordenada com o recém criado Ministério da Segurança Pública. Segundo Netto,as tropas não irão ocupar as favelas. Continuarão existindo operações pontuais, além de um trabalho de reequipamento da polícia civil e militar, valorização dos policiais, recolocação dos quadros em funções próprias de policiamento e reestruturação das Unidades de Polícia Pacificadora, as UPPs.

Publicado em Assuntos Nacionais
Quarta, 21 Fevereiro 2018 14:42

Apreensão ou morte

Publicado em Jcaesar
Página 1 de 2