19 Set 2019

Fernanda para sempre Young

Por   Seg, 26-Ago-2019

A morte de alguém jovem é de uma beleza trágica, porque jamais saberemos como a pessoa seria, envelhecendo. E, ao não envelhecer, ela permanecerá sempre jovem na memória. Com sua morte aos 49 anos, em Gonçalves, Minas Gerais, Fernanda Young acaba sendo sempre jovem - e, para quem tinha tatuada a fórmula de Einstein entre os seios (E=mc²), fica como o jovem e eterno modelo de energia torrencial, criativa, provocadora e, por sorte, multitalentosa.

Young era escritora, roteirista, entrevistadora, atriz. Na realidade, era uma intelectual - e, apesar de ser uma mulher de ideias, ação e posições, em geral em defesa da liberdade da mulher, não receava parecer prosaica nem comum, ou mesmo vulgar.

Como no ensaio que fez para a revista Playboy, em que exibiu sua coleção de tatuagens, como uma corrente de lacres de latas de cerveja na cintura, uma borboleta, símbolo do lesbianismo, inscrições e outros desenhos que mostravam a alma livre, tanto quanto atormentada.

Casada com o também roteirista Alexandre Marchado, com quatro filhos, Young estava estava no sítio da família em Gonçalves (MG). De acordo com as informações divulgadas, sofreu um ataque de asma.

Levada ao hospital Frei Caetano, da cidade de Paraisópolis, ela teria sido atendida a partir da 1h45, mas morreu às 2h53.

Young ensaiava para estrear na peça "Ainda Nada de Novo", que faria com a atriz Fernanda Nobre, a partir de 12 de setembro. Na TV Globo, fez sucesso escrevendo o roteiro da série Os Normais. Protagonizou ainda um divertido e iconoclasta programa de entrevistas, "Irritando Fernanda Young", no qual seus convidados sempre dividiam a atenção com ela própria. Sua última obra para TV foi a série "Shippados", lançada pela Globoplay, com Tatá Werneck, Eduardo Sterblitch e Clarice Falcão.

Sua editora, Leila Name, disse que em novembro será publicado um livro inédito escrito por Young aos 17 anos. Ela havia encontrado os originais recentemente. Escrevia ainda um novo romance, "O Livro", que deixou inacabado.

Todos os que morrem cedo são, de certa forma, obra inacabada. Young viveu a vida, porém, intensamente. E, como os meteoros, que ardem e desaparecem, foi breve - mas deixou seu brilho no ar e uma obra que pode ficar.