30 Mar 2020

O carnaval nasceu da política

Por   Seg, 25-Fev-2019
Correia de Sá: inventor da folia Correia de Sá: inventor da folia

Já na sua origem, o carnaval brasileiro nasceu sob o signo da política. Mais precisamente, como uma festa para salvar a pele de um político, Salvador Correia de Sá e Benevides, governador do Rio de Janeiro e das províncias abaixo da Bahia, como vai contado no livro A Criação do Brasil

Em 10 de março de 1641, Salvador se encontrava na missa, ouvindo o sermão no Convento de São Bento, no Rio de Janeiro, quando lhe foi entregue a mensagem do vice-rei, o Marquês de Montalvão, vinda da Bahia, dando conta de que Portugal, então integrante do império filipino, declarara independência da Espanha.

Cidadão híbrido, que sintetizava a elite da era filipina, Salvador pertencia a uma longa e grande linhagem de administradores do Brasil, a começar pelo tio-avô, Mem de Sá, e o pai, Martim Correia de Sá, governador da capitania do Rio de Janeiro. Porém, era espanhol de nascimento, nascido em Cádiz. Seu berço, sua mulher, suas propriedades e seus negócios estavam tão ligados à América castelhana que a Corte em Lisboa receava que ele se mantivesse do lado espanhol.

A separação de Portugal de repente o colocava entre a cruz e a caldeirinha, ameaçado de perder o enorme patrimônio na América espanhola, na própria Espanha, e, por outro lado, também no Brasil.

O desmembramento era polêmico e trazia problemas consideráveis. Naquele tempo, havia mais portugueses que espanhóis em cidades com Lima, Assunção e Buenos Aires. Soldados da Espanha guardavam Salvador, na Bahia, e espanhóis mesclavam-se aos portugueses em vilas como São Paulo, onde sua influência era muito forte.

Administrador polêmico, acusado rotineiramente de nepotismo e corrupção, Salvador avançara sobre a América espanhola para negociar a prata das minas bolivianas e contrabandeá-las num trajeto "alternativo" por Buenos Aires, que passava pelo Rio, onde era trocada sobretudo por escravos. E viu sua rede de poder e negócios indo para a ruína.

O governador então chamou uma reunião a portas fechadas na biblioteca do colégio jesuíta, com os religiosos, representantes da Câmara e os comandantes das forças da guarnição. Disse que preferia errar com eles que errar sozinho. Depois de discutirem de que lado ficariam, puxou ele mesmo o coro de vivas a Dom João IV, novo rei de Portugal.

Houve uma procissão até a igreja matriz, onde o governador jurou fidelidade à Coroa portuguesa. O padre Manuel Fernandes partiu para dar ao vice-rei a notícia da adesão do Rio de Janeiro a Portugal.

Para mostrar que estava ao lado de Portugal de maneira “espalhafatosa e convincente”, Salvador programou então uma festa para celebrar a chamada Restauração da coroa portuguesa, depois da Páscoa, em 31 de março.

Foram oito dias de "encamisada", um desfile de cavaleiros envergando capa e empunhando archotes, alardo (antigo nome da parada), corridas de touros e jogos de canas e manilhas. Só homens participavam, enquanto as mulheres assistiam das janelas.

Pelo édito de Salvador, quem não entrasse nas comemorações poderia ser considerado descontente. Quem tinha juízo, portanto, participava.

Para muitos historiadores, a festa, repetida depois anualmente, quando foi perdendo seu sentido inicial, é a origem do carnaval. E dessa forma se compreende sua ligação umbilical com o Rio de Janeiro.

Considerado suspeito na corte portuguesa, Salvador foi explicar-se pessoalmente em Lisboa e caiu nas graças de Dom João IV. Seria, com o padre Vieira, o grande articulador da consolidação da colônia brasileira, da retomada aos holandeses do Nordeste, assim como das possessões africanas, de onde vinham os escravos negros para os engenhos de açúcar. Enquanto o Marquês de Montalvão, adesista de primeira hora, acabaria caindo em desgraça, ele se tornou o homem forte do rei no território ultramarino.

Sem saber, Salvador foi o primeiro “dirigente de escola de samba”, uma festa sempre patrocinada com dinheiro público, que marginaliza e exclui quem dela não participa, e continua feita para adular e favorecer os poderosos da vez.

Para saber mais sobre o livro, clique aqui.