18 Out 2021

O ministro no país das conveniências

Por   Sex, 08-Out-2021
O ministro: "encouraçado" O ministro: "encouraçado"

Todo mundo sabia que Paulo Guedes era banqueiro.

Todo mundo sabe que não existe banqueiro que não mexe com dinheiro.

Todo mundo sabe que quem mexe com dinheiro protege seu dinheiro e hoje em dia tem dinheiro no exterior.

Todo mundo sabe, e sempre soube, que ser banqueiro é algo incompatível com o cargo de ministro da Economia.

Mesmo que não faça algo que beneficie seus negócios privados, a simples dificuldade de tomar alguma decisão necessária ao governo, mas que contrarie seus interesses pessoais, já bastaria para incompatibilizá-lo com o cargo.

Nada disso foi problema quando o presidente Jair Bolsonaro enfiou a faixa presidencial no peito e entronizou Guedes na economia.

Ao contrário: Guedes era a garantia para o mercado, a indústria, a economia. Era o Posto Ipiranga. Era, na verdade, o governo, ou pelo menos a garantia de que Bolsonaro não faria loucuras e trabalharia para o setor privado.

Por que agora Guedes ter conta off shore é problema? O que mudou?

Guedes cometeu muitos erros. No governo, comportou-se como banqueiro, até mesmo no que fala. Desprezou a classe média baixa que vai à Disneylândia. Minimizou o aumento da gasolina. Mostrou, enfim, a realidade, e a realidade é que ele está se lixando para o povo brasileiro.

Esse, porém, não é o problema. O problema é que Guedes não fez nada para melhorar a economia brasileira, virou a cara ao empresariado, que nem recebe no Ministério. O desemprego cresceu. O mercado informal cresceu. A inflação cresceu. E Guedes diminuiu.

O tempo passou, a moral de Guedes também, a começar pela constatação de que ele não representa o mercado financeiro, muito menos o empresariado do setor produtivo e nem mesmo o governo. Guedes representa a si mesmo e para ficar no poder, com seus benefícios, fez de tudo.

Melhor dizendo, não fez nada. Ao contrário de Sérgio Moro, Guedes engoliu todos os sapos que o presidente lhe enfiou pela goela, aferrado ao cargo, sem importar-se com o próprio orgulho.

Banqueiro não tem orgulho, tem dinheiro.

Guedes não mudou, o que mudaram foram as conveniências. O Brasil é o país da conveniência. Podia ser o país da lei, ou do bom senso, ou da moralidade na coisa pública, mas, repito, é apenas o país da conveniência.

A nossa sorte é que as conveniências também mudam, e com elas se mudam os que se tornam inconvenientes.