24 Ago 2019

Está em jogo a sobrevivência da nossa indústria

Por   Sex, 09-Fev-2018

Quem trabalha na indústria e tem peso nas decisões de sua empresa já leu sobre a Fábrica do Futuro, Manufatura.4, Indústria.4 e variações menos frequentes. É possível, contudo, que tenha passado desapercebido o fato de que nada acontecerá sem a simultânea evolução da comunicação no âmbito corporativo. Em resumo, a Manufatura.4 precisa de uma Comunicação .4 – processos inseparáveis e indispensáveis. 

Este casamento está óbvio nas próximas feiras industriais no País. Fortemente centradas nas tecnologias avançadas, elas organizam e exibem, para susto e conhecimento de nossas empresas, como as máquinas e homens devem interagir e colaborar de maneira intensa e extensa para elevar a indústria a maior patamar de produtividade e qualidade.

Alguns números medem o desafio que avulta no horizonte de nossa indústria, pedindo urgência na implementação dos processos industriais que movimentam a Manufatura.4 . A consultoria McKinsey, por exemplo, prediz que ao longo dos próximos sete anos, Tecnologia reduzirá em 40% os custos de manutenção, em 20% o consumo de energia e aumentará em 25% a eficiência da indústria. São metas possíveis para quem opera uma Manufatura .4 .

Para que a predição se confirme no Brasil será preciso queimar etapas, segundo pesquisa da CNI-Confederação Nacional da Indústria em 2016, já que apenas 33% das nossas indústrias usam as tecnologias digitais para criar novos produtos ou negócios. A pesquisa da CNI informa também que 73% das indústrias usam pelo menos uma das tecnologias digitais, o que não é bom porque a pesquisa relacionava apenas 10 tecnologias digitais mais conhecidas. E fica registrado que 27% das indústrias confessam total distanciamento das 10 tecnologias listadas na pesquisa: automação digital sem e com sensores para controle de processos; controle remoto da produção e supervisão com softwares; manufatura aditiva; prototipagem rápida; serviços em nuvem; análise de big data e de modelos virtuais para projetos e comissionamento de máquinas e a internet das coisas.

Sem elas, nem pensar em Manufatura.4. E os 27% estão perto do Fundo de Quintal.0.

Capital intelectual

O desafio que precisa ser assumido inclui valorizar o capital intelectual, reduzir estoques e espaços, priorizar a sustentabilidade, reorganizar layouts em células de produção, adotar a automação colaborativa e métodos de gestão que podem ser escolhidos de uma sopa de letras: QFD, FMEA, ERP, por exemplo.

Tudo em perfeita integração, via comunicação em tempo real.

Os caminhos e as carências são conhecidos. A estratégia pode admitir atalhos mas penaliza dramaticamente a inação porque está em jogo a sobrevivência da empresa industrial.

Ajuda ?

É incerta e talvez só apareça quando o grupo de trabalho criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações implementar o prometido plano de ação para a manufatura avançada no Brasil. O que é muito improvável quando a prioridade da liderança política está colocada na renovação de seu foro privilegiado via eleições.

Desde o lançamento, o Ministério explicitava as barreiras no caminho do programa: troca de dirigentes, restrições e cortes orçamentários, descontinuidade de programas e projetos, demandas imprevistas de fatores externos ao Ministério, interferências politicas na gestão do programa, e – talvez a mais reveladora ameaça ao sucesso do programa – “a baixa cultura organizacional quanto à importância da área de TIC”. O “ burocratês “ pedante significa que o MCTIC é jejuno nas razões de sua existência.

Objetivos permanentes

A motivação fundamental para embarcar na quarta revolução industrial é a mesma que moveu as empresas nas revoluções anteriores – atender as necessidades do mercado, merecer sua preferência, lucrar.

A ferramenta que pode ajudar na criação da Manufatura.4 pode ser chamada de Comunicação.4, um projeto de comunicação que inclua homens e máquinas, a empresa e a corporação , a planta e seu em torno, o espaço econômico e social .
Este projeto é o meio e a mensagem; leva a informação indispensável àqueles que buscam desempenho empresarial de excelência e se exibe como a tecnologia que o antecipa e representa.

É o Com.4, o mundo digital, dos softs e hards, da integração entre o real e o virtual, da parceria entre homens e máquinas, da planta industrial como matriz da internet das coisas. Salvo inovações futuras, um projeto como este é o melhor exemplo de que o meio é a mensagem. Também a melhor sacada de McLuhan.