15 Set 2019

O registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral deu a João Amoêdo a liderança absoluta na corrida presidencial em pelo menos um quesito. É de longe o candidato que declarou o maior patrimônio: 425 milhões de reais.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, mandou soltar três executivos, entre eles o CEO da General Eletric na América Latina, Daurio Speranzini Júnior, denunciados na terça-feira com outras 19 pessoas por formação de quadrilha e fraude nas licitações do Instituto Nacional de Traumatologia e na Secretaria da Saúde do Rio de Janeiro.

O Ministério Público Federal de São Paulo anunciou na segunda-feira que pretende investigar novamente a morte do jornalista Vladimir Herzog, preso, torturado e morto em outubro de 1975, durante o governo Ernesto Geisel.

Depois de breve delírio, em que anunciou sua candidatura à presidência da República pelo PTC, o senador e ex-presidente Fernando Collor decidiu concorrer ao governo de Alagoas.

Enquanto Lula manobra da cadeia para manter viva sa candidatura à presidência, a realidade vai ficando cada vez mais real para ele do lado de fora.

Morreu às 10h30 de terça-feira, em sua casa nos Jardins, São Paulo, o advogado Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT. Tinha 96 anos e uma longa biografia de serviços prestados ao Brasil.

Depois de tentar outros nomes para vice em sua chapa, Jair Bolsonaro começou a namorar a advogada Janaina Paschoal, que ficou conhecida por sua defesa do impeachment de Dilma Russeff, por vezes um tanto destemperada, o que parece agradar o candidato.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do Supremo Tribunal  Federal, Luiz Fux, afirmou nesta terça-feira que "um político enquadrado na Lei de Ficha Limpa não pode forçar uma situação, se registrando, para se tornar um candidato sub judice".

Respondia a uma pergunta sobre a ideia do PT de registrar a candidatura de Lula, mesmo preso, e sendo Ficha Suja, por estar condenado em segunda instância. Fux não respondeu diretamente sobre Lula, mas reafirmou o princípio. E deixou clara a diferença entre estar condenado em segunda instância, portanto inelegível, como é o caso de Lula, e ser um candidato sub judice - aquele sobre o qual a situação jurídica ainda permite dúvidas. 

Depois que a União Europeia anunciou um acordo de tarifas com o Japão, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, entraram em aordo para avançar rumo à tarifa zero.

Conhecido por seus acessos de destempero, e no esforço de atrair o eleitorado de Lula, o candidato do PDT Ciro Gomes resolveu unir as duas coisas numa só, o que o transforma, além de estranho, num perigo para a república. E uma entrevista à TV Difusora, do maranhão, declarou que só ele "livra Lula da cadeia". E prometeu que, na presidência, devolveria "juizes e o Ministério Público para a caixinha".