28 Nov 2021

Crise da Venezuela vira crise brasileira

  Seg, 20-Ago-2018
Acampamento atacado em Pacaraima: expulsão Acampamento atacado em Pacaraima: expulsão

No último final de semana, cerca de 1,2 mil venezuelanos deixaram o Brasil, de acordo com estimativa do Exército brasileiro - consequência da reação dos brasileiros na fronteira, que atacaram seus acampamentos na cidade de Pacaraima, na fronteira entre Brasil e Venezuela.

Dessa forma, o drama dos refugiados da crise venezuelana vai se tornando um problema brasileiro. A violência, com barracas e pertences incendiados, teve resposta do outro lado: do lado venezuelano, carros de brasileiros foram apedrejados.

A tensão cresceu desdeo o assalto com agressão a um comerciante dentro de casa, crime atribuído a imigrantes. A Justiça brasileira, que havia proibido a entrada de refugiados da venezuela, teve a decisão suspensa por determinação do Supremo Tribunal federal, para quem o movimento não é migrátorio, e sim uma causa humanitária. Cerca de 800 pessoas têm atravessado a fronteira diariamente em Roraima, à procura de comia e emprego. Parte volta à Venezuela à noite, parte fica.

O governo federal decidiu enviar 60 homens da Força Nacional para ajudar o Exército na crise local, que vai se tornando explosiva. Com eles seguem médicos voluntários. De acordo com o jornal O Globo, o governo federal considera que a  governadora Suely Campos tem incitado a população contra os venezuelanos.

Candidata ao Senado, ela concorre com Romero Jucá, homem forte de Temer. Além da crise com o país vizinho, aí aí também uma rixa eleitoral a ser resolvida.

A Venezuela mostra as consequêncies da política de Nicolás Maduro. Estava marcado para hoje  o 'Madurazo', pacote econômico contra inflação galopante - pode checar a 1.000.000% este ano. Os bancos fecharão e a moeda perderá cinco zeros, passando a se chamar Bolívar Soberano. O salário mínimo foi multiplicado por 34.

E tem gente que ainda defende as políticas ditas bolivarianas.