2 Jul 2020

Chácara funcionava com centro paramilitar bolsonarista

  Seg, 22-Jun-2020

A Polícia Civil do Distrito Federal fez uma blitz, no domingo, em uma chácara em Arniqueira, a 22 quilômetros de Brasília, e encontrou armas, munição e evidências de que o local serviu como centro de treinamento paramilitar para grupos extremistas conhecidos como "300 do Brasil, "patriotas" e "QG Rural". O 300 do Brasil é o grupo militante de Sara Winter, presa semana passada em inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal, que apura a instigação a um golpe para a instalação de uma ditadura, supostamente com apoio das Forças Armadas.

"A gente acredita que esse acampamento era utilizado pelo grupo para reuniões e treinamentos, assim como naquele acampamento, na região de Rajadinha, onde que o grupo declarava fazer treinamentos paramilitares, de inteligência e outros", afirmou o delegado Leonardo Castro, da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado.

A polícia do Distrito Federal investigava crimes ligados a esses grupos por meio de redes sociais e acabou reunindo indícios de associação criminosa ou milícia privada. "Os suspeitos já disseram que guardam armas e, durante a semana, declararam que na manifestação de domingo haveria uma grande surpresa para os governantes". disse Castro. "Isso fez a polícia apressar a realização de buscas", afirmou.

O grupo já teria ocupado outro QG, conhecido como Núcleo Rural Rajadinha, mas se mudaram para despistar os investigadores. Na chácara, foram apreendidos um caderno de anotações, com elementos para encontrar financiadores do movimento.

Está sendo investigado o empresário goiano André Luiz Bastos Paula Costa, dono do imóvel, que disparou ameaças contra o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), em vídeos postados nas redes sociais.