19 Fev 2020

Terrorista líder da ISIS foi morto, afirma Trump

  Dom, 27-Out-2019
Baghdadi: na fronteira Síria Baghdadi: na fronteira Síria

Uma operação de forças lideradas pelos Estados Unidos atacou uma posição de terroristas no noroeste da Síria, na fronteira com a Turquia. De acordo com o presidente americano, Donald Trump, foi morto o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, um dos terroristas mais procurados do mundo.

Baghdaditeria se matado durante a operação ao detonar um colete suicida, depois de fugir por um túnel sem saída, segundo Trump, em pronunciamento na Casa Branca. A identidade do terrorista, que segundo Trump teria morrido "gemendo e chorando", foi confirmada por exame de DNA 15 minutos após a morte. .

"Ele era um homem doente e degenerado, e agora ele já era", disse Trump. Segundo ele, "muitos" dos seguidores de Baghdadi também foram mortos. Ao suicidar-se, Baghdadi teria matado também três crianças.

A operação, apoiada pela Rússia, Turquia, Síria e o Iraque, envolveu helicópteros e aviões de guerra na vila síria de Barisha. "Uma operação bem-sucedida e histórica, devido o trabalho conjunto de inteligência com os Estados Unidos", afirmou, no Twitter, Mazlum Abdi, comandante das Forças da Síria Democrática (FSD), aliança de milícias no país.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos afirmou que na ação nove pessoas morreram. O grupo estava em uma casa comprada há poucos dias pelo líder do grupo jihadista, que vinha de Aleppo.

Natural de Samarra, no Iraque, Baghdadi é o codinome de Ibrahim Awwad Ibrahim al-Badri. Foi membro da Al-Qaeda no Iraque, antes de fundar o Estado Islâmico, ainda mais radical.

Em fevereiro de 2004, foi preso pelos Estados Unidos e ficou 10 meses detido no campo de Bucca. Havia uma recompensa de US$ 25 milhões pela sua captura.

Chegou a controlar grandes áreas da Síria e do Iraque, onde declarou haver um califado. Produziu ataques em cinco continentes, impulsionada pela fé ultrarradical do islã que perseguia os próprios muçulmanos. Causou horror ao filmar a decapitação de estrangeiros, incluindo jornalistas dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Especialistas em segurança acreditam que o ISIS ainda não morreu. Anda pode realizar ataques e operações clandestinas, mesmo sem o comando de Baghdadi, que detinha o recrutamento e sua base logística para o treinamento e planejamento.

"O bandido que tentou tanto intimidar os outros passou seus últimos momentos com medo, pânico e pavor extremos, aterrorizado pelas forças americanas que se aproximavam dele", disse Trump.

"Ele alcançou o fim do túnel quando nossos cachorros o perseguiam. Ele detonou seu colete, matando a si mesmo e suas três crianças. O corpo dele ficou mutilado pelas explosões. O túnel desabou sobre ele."