19 Set 2019

Caem mercados com Argentina

  Ter, 13-Ago-2019

O receio pela volta do kirchnerismo fez também as bolsas caírem e o peso argentino ser desvalorizado em 25% nesta segunda-feira, depois que o peronista Alberto Fernández recebeu 47% dos votos nas eleições primárias para a Presidência da Argentina, este final de semana. O atual presidente, Mauricio Macri, ficou com 32%. O primeiro turno das eleições gerais está marcado para 27 de outubro.

Como as candidaturas já estavam definidas, as primárias não tiveram influência de disputas internas e os votos são considerados como uma escala real das preferências do eleitorado, dois meses e meio antes das eleições gerais.

"Hoje tivemos uma eleição ruim", disse Macri. Caso a eleição fosse hoje, Fernández seria o novo presidente argentino.

Fernández saiu dessa primeira rodada como o franco favorito para a eleição. De acordo com a reforma constitucional de 1995, caso algum candidato consiga 45% dos votos ou 40% dos votos com 10 pontos de vantagem sobre o segundo lugar, não há necessidade de segundo turno. Fernández está perto.

"Estamos contentes, alegres e otimistas que muitos argentinos compreendam que as coisas devem mudar na República Argentina", disse a ex-presidente Cristina Kirchner, vice na chapa de Fernández, em mensagem gravada em vídeo.

"Parabéns aos companheiros Alberto Fernández e Cristina Kirchner pelo expressivo resultado nas primárias argentinas", escreveu da cadeia o ex-presidente Lula, em mensagem postada por meio das redes sociais. "É preciso dar esperança ao povo, trazer dias melhores e cuidar de quem mais precisa. Um forte abraço do amigo Lula."

"Muito obrigado, querido amigo", respondeu Fernández, eplo Twitter. "Como você diz, devemos dar esperança ao nosso povo e cuidar de quem mais precisa. Eu te envio um grande abraço que espero poder lhe dar em breve."

Em julho, Fernández visitou Lula na sua cela, em Curitiba, e disse que foi uma "conversa entre amigos".