15 Set 2019

Para a retomada dos investimentos, principal motor da recuperação econômica, é preciso tranquilidade, sem a qual o setor privado não assume riscos. E a falta de tranquilidade de um governo movido pelo confronto começa a produzir seu efeito. De acordo com o IBGE, o Produto Interno Bruto, que já vinha apontando um crescimento econômico cada vez menor, apresentou resultado negativo: queda de 0,2% no primeiro trimestre do ano, em relação ao trimestre anterior. 

A explicação para a queda é a intranquilidade reinante. O governo não conseguiu ainda aprovar as reformas pretendidas no Congresso e gera uma crise interna por dia, movido pelo Twitter do presidente Jair Bolsonaro e sua equipe de tuiteiros incendiários, espalhando o receio junto aos investidores.

O resultado negativo do primeiro trimestre foi puxado em grande parte pela retração nos investimentos. A formação bruta de capital fixo, uma medida de investimentos, caiu 1,7%. As exportações também recuaram 1,9% no trimestre. Com isso, a economia caiu, mesmo tendo sido registrado um aumento no consumo das famílias (0,3%), do governo (0,4%) e das importações (0,5%).  

As negociatas nos bastidores do futebol brasileiro começaram a vir à tona nesta semana com duas ações policiais que levaram à prisão o ex-jogador do Fluminense Roni e implicaram dirigentes em operações escusas de venda de jogadores, nas quais está envolvido o vice-presidente do Cruzeiro de Belo Horizonte, Itair Machado.

São casos diferentes, mas que revelam como o futebol serve a interesses de espertalhões que sugam o dinheiro dos clubes. No caso de Machado, a polícia verificou que ele teve em 2018 um faturamento de mais de 4 milhões de reais fora seus vencimentos oficiais. 

A Agência Nacional de Aviação Civil suspendeu nesta sexta-feira todas as operações da Avianca Brasil, que já vinha semiparalisada por uma greve de funcionários que denunciavam riscos no voos da companhia. Segundo a agência, "com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações em segurança".

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em entrevista à revista Veja que irá deixar o cargo se a reforma da Previdência, que afinal começou a tramitar no Congresso, virar uma "reforminha". Em tom alarmista, disse que sem ela o país irá "quebrar já em 2020". E fez pouco caso das consequências. "Pego um avião e vou morar lá fora, já tenho idade para me aposentar", disse. "Se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo."

Com essa postura, Guedes vai se tornando outro fator de instabilização no governo Bolsonaro. Primeiro, pela seleção do veículo de imprensa escolhido para dar o seu recado: o BTG-Pactual é o investidor responsável pela compra da massa da Editora Abril, hoje em recuperação judicial, incluindo Exane e Veja. O segundo, é o tom de ameaça, como se não estivesse dando saída ao Congresso - um tipo de pressão da qual os parlamentares costumam não gostar.

Por fim, Guedes faz um empenho muito pessoal na reforma, como se fosse a única coisa que lhe importasse, o que faz confundir o projeto de governo com interesses próprios - o BTG foi um dos bancos que implantaram e operam o sistema de capitalização no Chile. 

Pilotos, copilotos e comissários da Avianca entraram em greve a partir das seis horas da manhã desta sexta-feira, paralisando parte dos voos nacionais que passam por São Paulo e Rio de Janeiro.

O empresário Henrique Constantino, um dos donos da companhia aérea Gol, afirmou em delação premiada que para obter um financiamento de R$ 300 milhões de um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal teve de pagar R$ 4 milhões em propina ao operador do MDB, Lúcio Funaro.

O governo anunciou o contingenciamento de 30 bilhões de reais este ano do orçamento, que atingiu todas as áreas, da educação ao Ministério da Defesa, mas prevê que pode tirar outros 10 bilhões além dos previstos. A razão é o andamento da economia, cujo crescimento este ano está sendo revisto de 2,5% para entre 2% e 1,5%. Com menos atividade econômica, a arrecadação cai. E o governo, que já imaginava ter que pedalar para poder pagar suas contas, vê agora que terá de pedalar na subida - um esforço maior.

O efeito mais mediato do pacotão pró-armamentista do governo Bolsonaro foi a súbita alta das ações da Taurus, que não sao cotadas em Bolsa de Valores

As mudanças dos meios de comunicação, com o fortalecimento da internet em relação aos veículos convencionais, abriu uma crise mesmo no lugar considerado antes inexpugnável: a Rede Globo de Televisão.

Depois da queda da Abril Mídia, que pediu recuperação judicial com 1,6 bilhão de reais em dívidas, ainda não renegociadas pelo BTG para ficar com os títulos das revistas veja e Exame, a Globo viu seu faturamento cair à razão de 15% ao ano nos últimos cinco anos e começou a cortar gastos mais celeremente após o prejuízo operacional de meio bilhão de reais em 2018.

Aprovada nesta terça-feira pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados por 48 votos a 18, a Nova Previdência foi considerada constitucional e agora segue para a comissão especial, que deve ser criada nesta quinta-feira para analisá-la ponto a ponto.

Foi uma vitória do governo, mas sem o governo, ou apesar do governo, como deixou a entender o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que acompanhou o trabalho de perto.

"Foi uma vitória do Brasil, da Câmara dos Deputados, da responsabilidade de cada um dos deputados que sabem que sem a reforma da Previdência o Brasil vai para um caminho muito ruim", disse ele.