15 Nov 2019

O dono da Gol, Henrique Constantino, diz que pagava propina para a Caixa

  Qua, 15-Mai-2019
Constantino: propina Constantino: propina

O empresário Henrique Constantino, um dos donos da companhia aérea Gol, afirmou em delação premiada que para obter um financiamento de R$ 300 milhões de um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal teve de pagar R$ 4 milhões em propina ao operador do MDB, Lúcio Funaro.

Constantino fez o acordo de delação em 25 de fevereiro, com o Ministério Público Federal do Distrito Federal, por conta de uma das quatro ações da Operação Cui Bono, que investiga empréstimos concedidos pela Caixa.

Constantino foi denunciado, em outubro passado, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, junto com os ex-deputados Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima, já condenados e presos por outros inquéritos da Lava Jato.

Além da delação, Constantino aceitou pagar R$ 70 milhões como reparação “material, imaterial (moral) e social”. Somente dois de seus 12 depoimentos se tornaram públicos. Funaro também já fez um acordo e tinha acusado Constantino de corrupção.

O dono da Gol era também o presidente do Conselho de Administração da Comporte Participações, controladora da Via Rondon, que em 2008 venceu o leilão de concessão do trecho oeste da rodovia Marechal Rondon, em São Paulo. A Via Rondon fez um empréstimo junto ao banco Votorantim e depois buscou cobri-lo com recursos pagos em longo prazo para as obras. Daí recorrer à Caixa.