15 Set 2019

Justiça intervém nas picaretagens do futebol

  Ter, 28-Mai-2019
Itair, do Cruzeiro: dinheiro por fora Itair, do Cruzeiro: dinheiro por fora

As negociatas nos bastidores do futebol brasileiro começaram a vir à tona nesta semana com duas ações policiais que levaram à prisão o ex-jogador do Fluminense Roni e implicaram dirigentes em operações escusas de venda de jogadores, nas quais está envolvido o vice-presidente do Cruzeiro de Belo Horizonte, Itair Machado.

São casos diferentes, mas que revelam como o futebol serve a interesses de espertalhões que sugam o dinheiro dos clubes. No caso de Machado, a polícia verificou que ele teve em 2018 um faturamento de mais de 4 milhões de reais fora seus vencimentos oficiais. 

Esse dinheiro teria sido apurado com o recebimento de uma comissão por fora para negocir dois jogadores - o lateral Mayke, vendido ao Palmeiras, e Bruno Silva, comprado junto ao Botafogo. O intermediário foi Carlinhos Sabiá, amigo de Machado, que teria recebido 800 mil reais pela venda de Myk, mesmo sem ser empresário do jogador. 

"Eu participei sim,fui intermediário do negócio [com Myke]", disse Sabiá ao UOL. "´uma coisa normal, como qualquer outro negócio."

Estelionato

O Palmeiras confirmou que Sabiá esteve em São Paulo em setembro do ano passado para falar sobre a negociação de Myk. Porém, teria sido orientado a procurar Fábio Mello e Giuliano Bertolucci, representantes do jogador. Depois, ele não teria voltado a se reunir com o clube paulista. "O Cruzeiro o mandou para representá-lo", afirmou Giuliano Bertolucci ao UOL.

 Roniéliton Pereira Santos, o Roni, é acusado de estelionato, associação criminosa, falsidade ideológica e sonegação por operar um esquema de venda de mando de jogos, que vem sendo investigado há dois anos e teria fraudado a renda de 15 a 20 partidas de futebol.

Foi preso preventivamente no sábado, durante o jogo entre Palmeiras e Botafogo, após levar o mando do clube carioca para o estádio Mané Garrincha, em Brasília, pagando propina para dirigentes.

Com ele, foram também para a cadeia o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal, Daniel Vasconcelos, e mais cinco pessoas. A 15ª Vara Federal Criminal de Brasília autorizou ainda 19 mandados de busca e apreensão em Brasília, Luziânia e Goiânia, em Goiás, incluindo na sede da Federação.

Roni foi solto no domingo com uma fiança de 10 mil reais, mas o esquema transpareceu e coloca sob os holofotes os clubes brasileiros. "Nunca precisei agir de maneira desonesta em minha vida profissional", defendeu-se Roni.

Segundo o diretor da Divisão de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária, Ricardo Gurgel, o grupo informava uma quantidade menor de ingressos vendidos ou uma quantidade maior de cortesias para pagar menos impostos. Com isso, o aluguel do estádio saía mais em conta.

Após a prisão de Roni, a Confederação Brasileira de Futebol informou que está trocando empresa que vende ingressos para o amistoso entre Brasil e Catar, no dia 5 de junho, em Brasília. Segundo a entidade, seria uma medida preventiva, já que o site Meu Bilhete pertence à Roni7.

Um torneio amistoso organizado também pela Roni7, a ser disputado por Palmeiras, Vasco, Ceará e fortaleza durante o período da Copa América, em junho, também foi cancelado pelos clubes.