19 Set 2019

Economia dá um débil sinal de vida

  Qui, 29-Ago-2019
Guedes: esperanças Guedes: esperanças

O Produto Interno Bruto cresceu 0,4% no segundo trimestre, em comparação com os primeiros três meses do ano, chegando a 1,78 trilhão de reais - um sinal de recuperação muito débil, mas que não deixa de ser um sintoma de vida.

No primeiro trimestre, o PIB encolheu 0,1%, segundo revisão de dados pelo IBGE. É uma reativação muito pequena para significar que o Brasil saiu da estagnação. Comparado ao mesmo período do ano passado, subiu 1%. Esse período de 2018, porém, foi atípico, conturbado pela greve dos transportes, que derrubou e desorganizou a atividade econômica no país.

O segundo trimestre teve pequenos ganhos na (0,7%) e nos serviços (0,3%). Na agropecuária, houve uma queda de 0,4% na atividade.

Na indústria, ganhou mais o setor de transformação (2%) e construção civil (1,9%), que são responsáveis por 70% do índice. As indústrias extrativas caíram -3,8%.

A indústria de transformação influi diretamente no segmento de bens de capital, assim como estimula investimentos internos e externos. Há uma velha máxima economica segundo a qual toda recuperação começa pela construção civil, com seu principal indicador.

Depois de algum tempo contendo gastos públicos e procurando diminuir o efeito negativo de ações do governo sobre os mercados, o ministro Paulo Guedes pode ter alguma esperança de ver começar a enxergar na realidade o  que até agora tem sido mais discurso.