2 Jul 2020
Ubiratan Muarrek

Ubiratan Muarrek

Ubiratan Muarrek é jornalista e escritor. Mestre em Mídia e Comunicação pela London School of Economics (Londres), cursa Filosofia Política na Universidade de Bolonha (Itália). É autor de Um Nazista em Copacabana (Rocco, 2016), entre outros. 

Terça, 09 Junho 2020 19:14

O último táxi da Piazza Aldrovandi

Em um momento decisivo da Segunda Guerra Mundial, após a retirada das tropas inglesas e aliadas em Dunquerque, na costa francesa, e antevendo a chegada em breve dos alemães no que seria a Batalha da Inglaterra, soaram no rádio as palavras do primeiro-ministro inglês Winston Churchill, conclamando os britânicos a lutar nas praias, campos, ruas e colinas: “Nunca nos renderemos”. Foi seu discurso mais famoso, que moldou não apenas o espírito dos ingleses como o próprio rádio, que se consolidou como instrumento político e de mobilização.

Aqui, no Burgo Panigale, passo meus dias desde a pior fase da pandemia, a Fase 1, aquela que, normalmente, antecede a Fase 2, na qual o país se encontra hoje: mobilidade com distanciamento e máscara, convívio social limitado, lugares alternados em ônibus, restaurantes e bares, fábricas da Ferrari e Lamborghini funcionando; um “momento cappuccino”, segundo os irônicos jornais ingleses – talvez sem se dar conta do temor de uma recaída que acompanha os italianos a cada saída para um café. As fronteiras com os vizinhos europeus foram reabertas, o que foi tratado como um Dia-D. 

por Ubiratan Muarrek, de Bolonha

Após um início de lockdown onde o espírito italiano se manifestou com cantoria nas sacadas e balcões dos apartamentos, para depois mergulhar em silêncio e angústia no confinamento draconiano imposto pelo governo, a Itália começa vislumbrar a luz no fim do túnel da crise aguda do coronavírus.

Segunda, 06 Abril 2020 14:49

Um parasita na democracia

Um parasita, instalado no coração dos governos democráticos, deles obtendo seu alimento e causando-lhes dano, potencialmente, fatal. Não estamos falando aqui do coronavírus, mas do populismo, regime político que opera a partir de um determinado organismo, a democracia representativa, e, testando seus limites, desfigura-o pouco a pouco, a partir de um discurso e de atos autoritários e do ataque sistemático ao arcabouço constitucional.

Essa é a ideia central de We The People, How Populism Transforms Democracy (Nós, o povo, como o populismo transforma a democracia – numa tradução livre), de Nadia Urbinati, cientista política da Universidade de Columbia (EUA), que se propõe a dissecar o avanço, aparentemente incontornável, do maior fenômeno político desde o final da guerra fria, e que foi instalado nos governos sob os quais se acomoda parcela significativa da população mundial.