18 Out 2021
Hugo Studart

Hugo Studart

Hugo Studart, editor de A República em Brasília, é jornalista, professor e doutor em História. Trabalhou como repórter investigativo, editor ou colunista nos maiores veículos do país, como os jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo; revistas Veja, Manchete e Dinheiro. Atuou como diretor e colunista da IstoÉ, além de editor-chefe da revista Desafios do Desenvolvimento, do Ipea. Colaborou com artigos, colunas ou ensaios em veículos como Exame, Imprensa e Brasil História; e com artigos de opinião para O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. Ganhou diversos prêmios de jornalismo, como o Prêmio Esso e o Abril, além do Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos.

Como professor, atua como pesquisador-associado do Núcleo de Estudos da Paz e dos Direitos Humanos da Universidade de Brasília e na Pós-Graduação em Ciência Política na Faculdade Upis. Lecionou Jornalismo no Instituto de Ensino Superior de Brasília, na Fundação Casper Líbero, São Paulo, e na Universidade Católica de Brasília; além de MBA em Relações Institucionais do Ibmec. É membro do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal.

Segunda, 11 Outubro 2021 09:52

Bolsonaro, Lula e a volta do messianismo

Ambos são acusados de populistas, categoria política que assolou a América Latina entre as décadas de 1930 e 1960 e que teve como seus maiores ícones o ditador brasileiro Getúlio Vargas e o caudilho argentino Juan Domingo Perón.

Contudo, quando estudados à luz de outros conceitos da Ciência Política, chega-se à conclusão de que tanto o atual presidente Jair Messias Bolsonaro quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são, na verdade, líderes messiânicos e têm como projetos políticos pessoais instaurar o messianismo no Brasil.

Stefan Zweig certa feita escreveu cinco ensaios sobre conhecidos episódios, os quais chama de "miniaturas da História", e os reuniu em livro batizado de "Momentos decisivos da humanidade".

Quinta, 25 Junho 2020 19:57

Lya Luft e o pêndulo do sistema

Sobre a Lya Luft, eis algumas verdades inconvenientes:

Essa onda crescente de defender a intervenção militar no processo político vem provocando uma calamitosa confusão de conceitos sobre o que seria, afinal, uma ditadura – e, mais que isso, o que foi o regime militar instaurado no Brasil em 1964. 

Eis uma tentativa de síntese do quadro político do momento, com recapitulação dos fatos:

Nunca antes na história deste país houve um Congresso Nacional tão favorável ao presidente-eleito. A bancada pró-Bolsonaro que emergiu das urnas em 2018 só encontra paralelo no Congresso eleito em 1970, em 2/3 favorável ao presidente Médici - e ainda assim estávamos em uma ditadura militar e, ademais, em pleno "milagre econômico". A bancada eleita em 1986, durante o Plano Cruzado, também começou governista, mas acho que não chegava a 2/3, a conferir. 

Segunda, 18 Maio 2020 13:21

A saída pelo caminho do meio

Agora só nos resta o Caminho do Meio, o da moderação, diálogo, serenidade -- aquele caminho que vem sendo apontado há mais de dois milênios por sábios como Aristóteles, Confúcio, Buda, Jesus, Agostinho, Francisco, Gandhi...

Segunda, 27 Abril 2020 20:37

Eis o Peste do Apocalipse

Tudo indica que o ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu ficar. Pelo menos até fim crise coronavirus. O presidente Jair Bolsonaro disse que precisa dele neste momento no qual está acossado. 

Domingo, 26 Abril 2020 16:25

Conselhos de Malvadeza a um presidente

Conselhos de Toninho Malvadeza para o exercício do poder. Alguém precisa levar a Bolsonaro.

Sexta, 24 Abril 2020 15:00

Disputa entre os donos do Poder

Paulo Guedes, desde o inicio, tem um plano coerente para tentar ajustar a economia por meio do incentivo aos bancos. O mercado financeiro amou e ainda confia nele. 

Página 1 de 6