23 Jul 2019
A República

A República

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, que deixou o MDB em maio, foi preso na manhã desta terça-feira sob a acusação de chefiar uma organização criminosa que repassava informações sigilosas de operações policiais em Santa Catarina. Além disso, teria participado de um esquema para bloquear investigações de órgãos públicos.

O presidente Jair Bolsonaro tem dedicado grande empenho pessoal à aprovação de suas propostas mais radiciais e polêmicas, como o decreto das armas, reformulado com a retirada de um pequeno, mas assombroso detalhe: a permissão do uso de fuzis por parte da população civil. Chegou a declarar que o objetivo da medida era não somente fazer a população se proteger por conta própria de criminosos como também defender a liberdade - conclamação a uma milícia nacional contra uma possível volta do PT ao poder, por exemplo. Seus rompantes como o Bolsonaro dos 17% do início da campanha eleitoral, e não de presidente de 100% dos brasileiros, têm sido contidos agora pelo Congresso, onde o Senado acaba de aprovar um projeto de decreto legislativo que pretende neutralizar o decreto presidencial das armas .

Para os amantes do futebol, cai mais um ídolo. Michel Platini, um dos maiores jogadores da história da França e do mundo, não se deu também como dirigente esportivo. Suspeito de corrupção, foi preso nesta terça-feira em Paris por supostamente favorecer indevidamente a escolha do Qatar como sede da próxima Copa do Mundo, em 2022, quando era ainda o presidente da UEFA, a federação europeia de futebol.

Sem poder pagar uma dívida que alcança 98 bilhões de reais, a Odebrecht entrou na segunda-feira (17) com um pedido de recuperação judicial na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça de São Paulo. É o capítulo final de uma história surpreendente. É difícil imaginar que políticos e os empresários a eles associados pudessem pensar que corrupção de tal ordem passaria despercebida e impune. Só há uma razão para o delírio financeiro criado em torno desse incesto: a certeza de controlar de um projeto totalitário, e de que já se tinha o poder absoluto, inclusive sobre a Justiça.

O atacante Neymar Júnior, do PSG e da seleção brasileira, está com dois jatinhos e 36 imóveis em seu nome ou de gente de sua família bloqueados num processo movido pela Receita Federal no valor total de 69 milhões de reais.

Mais um caso para as relações incestuosas entre crime, poder e religião no Rio de Janeiro. o pastor evangélico Anderson do Carmo, marido da deputada federal e cantora gospel Flordelis (PSD-RJ), foi assassinado a tiros na garagem de sua casa, na madrugada do domingo, em Pendotiba, Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro.

O presidente do BNDES, Joaquim Levy, pediu demissão na manhã de domingo, dia 16, depois que o presidente Jair Bolsonaro declarou publicamente que ele estava “com a cabeça a prêmio”. Bolsonaro não gostou da indicação por Levy de Marcos Barbosa Pinto para a diretoria de Mercado de Capitais do banco, porque este foi assessor do BNDES no governo do PT. "Governo é assim, não pode ter gente suspeita", reclamou Bolsonaro, ameaçando "passar por cima" do ministro da Economia Paulo Guedes, chefe de Levy.

Levy foi ministro da Fazenda no governo de Dilma Rousseff - e nem por isso deixou de ser convidado em primeiro lugar. Sua saída acaba sendo um passo em falso do ministro Guedes, responsável pela sua contratação, mas que chegou a lançar no ar a suspeita de que ele poderia estar colaborando com o acobertando de falcatruas cometidas no BNDES dos tempos do PT.

O assessor ideológico do presidente Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho, reagiu ao seu estilo diante da reportagem de A República segundo a qual o ex-ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, negou por duas vezes verba para que ele pudesse dar aulas nas TVs e canais digitais do governo. A primeira vez de 320 mil reais, a segunda de 420 mil reais, há cerca de dois meses, quando se acirraram os ataques de Olavo contra o general.

"Quem inventou essa calúnia abjeta?" - escreveu Olavo, no Twitter. "Essa merda de jornalzinho ou o próprio Santos Cruz?"

Santos Cruz não se pronunciou sobre a reportagem de A República. Porém, na manhã de domingo, disparou-a por WhatsApp a partir de seu celular. Na imagem, sublinhou e fez uma flecha na parte do texto em que são mencionadas as propostas para Olavo que ele recusou. O general não falou, mas se deu a entender.

Um apagão na Argentina e no Uruguai deixou pelo menos 48 milhões de pessoas sem luz desde a madrugada de sábado.

"Uma falha maciça no sistema de interconexão elétrica deixou toda a Argentina e o Uruguai sem energia", informou no Twitter a distribuidora Edesur.

Morreu aos 96 anos o cineasta Franco Zerirelli, um dos maiores cineastas de todo os tempos, que assim passa ao panteão do cinema italiano ao lado de Federico Fellini e Michelangelo Antonioni.

Zefirelli fazia cinema, teatro e ópera. 

Alguns de seus filmes, além de obras de arte, foram sucesso de bilheteria, como A Megera Domada (1967) com Richard Burton e Elizabeth Taylor.

Nascido como filho ilegítimo de uma designer de moda e de um comerciante de tecidos, sua mãe morreu quando tinha seis anos. Afirmava ter sido abusado por um padre quando criança.

Amante de Shakespeare, estudou arte e arquitetura em Florença. Foi assistente de grandes diretores italainos como Antonioni, De Sica, Rossellini e Luchino Visconti, com quem trabalhou em filmes como A Terra Treme (1948) e "Belíssima" (1951).

Zefirelli foi assistente de direção de Visconti em três de seus grandes filmes: "A Terra Treme" (1948), "Belíssima" (1951) e "Sedução da Carne" (1954). Foi uma influência marcante pra ele.

"Luchino revelou-me o campo da criação, no palco e na tela", disse. "E ele me mostrou como conceber um projeto e dar-lhe uma estrutura para o ambiente cultural correspondente."

A partir dos anos 1950 encenou espetáculos como L'Italiana in Algeri de Rossini, e La Bohème, de Puccini.

Em 1968, fez Romeu e Julieta, indicado ao Oscar de melhor diretor e melhor filme. Usava dois adolescentes, não atores (Olívia Hussey e Leonard Whiting) no lugr dos amantes criados por Shakespeare. Acabou com os prêmios de melhor fotografia e figurino.

Fez ainda Irmão Sol, Irmã Lua (1972), Jesus de Nazaré (1977) e O Campeão (1979), com John Voight. Voltou à ópera, área em que se tornou conhecido pelas superproduções: La Traviata (1982), pela qual foi indicado ao Oscar de melhor direção de arte e melhor figurino, e Otello (1986), ambas com o tenor Plácido Domingo.

fez ainda sua versão de Hamlet para o cinema, em 1990, com Mel Gibson e Glenn Close. Conservador, fez campanha contra "A Última Tentação de Cristo", de Martin Scorsese, e se opunha a projetos como o reconhecimento dos casais homossexuais. Apoio o ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi nos anos 1990. Em março, deu uma entrevista na qual dizia ainda querer trabalhar, mesmo perto dos 100 anos.

"Ainda estou procurando ideias a realizar", disse. "Isso me mantém ocupado".