17 Out 2019

Um governo hospitalizado

  Qui, 12-Set-2019
Bolsonaro: boas notícias Bolsonaro: boas notícias

O presidente Jair Bolsonaro, que segundo disse seu filho Eduardo tinha previsão de alta nesta sexta, deve ficar hospitalizado pelo menos até o início da semana que vem. De acordo com Eduardo, a operação da hérnia que sobrou das cirurgias anteriores, resultado ainda da facada na campanha eleitoral, foi novamente grande. Bolsonaro teve o abdômen todo reaberto. "Mas ele continua não conseguindo se fazer de vítima", disse o filho.

Mesmo hospitalizado, o presidente fez questão de trabalhar. Não deixou de fazer a sua live na tarde de quinta-feira, dessa vez de jaleco hospitalar, sozinho e com uma sonda no nariz. Não era preciso, mas faz parte da atitude do presidente para manter alto seu ânimo e demonstrar senso de dever.

"Serão só dois minutos por determinação médica", avisou ele. Falou sobre a possibilidade do estudante tirar agora a carteirinha pela internet ou na Caixa Econômica; o recebimento de aviões de caça pela Força Aérea; e os 25 novos frigoríficos aprovados para comercializar com a China - um sucinto pacote de boas notícias. 

Bolsonaro não foi o único membro do primeiro escalão republicano no hospital essa semana. Também o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que tinha uma audiência marcada no Congresso na quarta-feira para falar sobre a demissão do presidente do Inpe, Ricardo Galvão, acabou baixando pouco antes no Hospital das Forças Armadas depois de se sentir mal.

Acabou não sendo internado, mas teve de voltar na quinta-feira para realizar exames. "Nada de infarto", disse ele depois. "Não passei bem à tarde e me escalaram para fazer consultas e exames hoje."

O quadro de Pontes foi parecido com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também internado com "mal estar" em 27 de agosto. Recebeu alta no dia seguinte, mas claramente não se trata de coincidência. A vida no governo do presidente Bolsonaro tem sido de muito estresse. E seus ministros dão demonstração de já estarem somatizando o clima de crise permanente instalado ao seu redor.

Deseja-se melhoras, assim como para a saúde do país.