18 Out 2021

STF manda prender ativista e tem de defender a si mesmo

  Seg, 15-Jun-2020
Winter: ameaças e prisão Winter: ameaças e prisão

A Polícia Federal prendeu na manhã desta segunda-feira a militante bolsonarista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, além de cinco outros integrantes do movimento auto-denominado "300 do Brasil". As prisões foram decretadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República, no inquérito que apura manifestações a favor de um golpe de Estado em favor de Bolsonaro, com o fechamento de instituições da República, incluindo o próprio STF.

No sábado, Winter, que já apareceu em contas nas redes sociais empunhando pistolas e amaeaça autoridades publicamente, estava à frente da turba que alvejou no sábado o palácio do STF com uma bateria de fogos de artifício, em Brasília. O protesto contou com a complacência da Polícia Militar do Distrito Federal - o que alarmou os políticos, por conta de uma possível politização da corporação, ao mesmo tempo em que coloca o STF agindo praticamente em defesa própria.

De acordo com o Ministério Público Federal, há indícios de que o "300 do Brasil" angaria recursos e organiza ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional, onde estão definidos os crimes contra a ordem política e social. Apesar da liberdade de expressõ e de livre manifestação, naa definição do ministro do STF, Luiz Fux, em seu parecer sobre o inquérito, de número 4.781, há o entendimento democrático de que "não existe direito no abuso de direito".

O objetivo das prisões, em caráter temporário, a princípio de cinco dias, é ouvir os investigados e reunir informações de como funciona o suposto esquema criminoso, de acordo com nota divulgada pela PF.

O Palácio do Planalto não parece preocupado com a prisão temporária de Sara Winter, pelo período de cinco dias, para permitir o andamento das investigações. Um relatório entregue ao presidente informou que o grupo, formado por simpatizantes do governo, lançou os projéteis sobre o STF, cumprindo promessas de Winter, supostamente interessado em "alavancar-se para as próximas eleições".

Winter disputou uma vaga de deputada federal em 2018 pelo DEM e, com 17.246 votos, não se elegeu. No início da semana passada, foi expulsa do partido, segundo o seu presidente, ACM Neto, por "desrespeitar a democracia e flertar com tendências inaceitáveis".

O que mais preocupa é a inação da PM, que seguiria o proselitismo linha dura de Bolsonaro, transformando o aparato policial dos estaduais em uma milícia informal do presidente. "Há sinais de indisciplina nas respectivas polícias de outros Estados", escreveu o clunista do UOL, Reinaldo Azevedo. "E, sim!, isso decorre da pregação do presidente da República e dos seus seguidores, com a conivência dos militares que servem ao Planalto."

Desa forma, estaria se espalhando o que já aconteceu no Rio de Janeiro, onde os Bolsonaro são próximos dos policiais militares, incluindo milicianos como o Capítão Adriano, morto ano passado em confronto com a polítcia da Bahia, quando se encontrava foragido.

"Sara Winter foi presa aparentemente por conta dos fogos q soltaram no sábado em frente ao STF", escreveu no Twitter a deputada federal Carla Zambelli, que faz o papel de interlocutora de crises do presidente. "Mas estamos em meio a uma pandemia, uma quarentena que está levando milhões à fome e desemprego. Pedi há alguns dias à própria Sara que baixassem a temperatura por conta deste momento."

A ativista já tinha sido alvo eum mandado de busca e apreensão em sua casa, no inquérito no STF que apura a coordenação de fake news em favor do governo. Teve confiscados computador e celular, em operação também autorizada por Moraes. Depois disso, ela iniciou uma série de ataques contra o STF e Moraes. Chegou a ameaçar que trocaria "socos" com o ministro.

"Pena que ele [Moraes] mora em São Paulo", escreveu, no seu Twitter. "Se estivesse aqui, eu estava na porta da casa dele, convidando para trocar soco comigo [...] Você me aguarde, Alexandre de Moraes. O senhor nunca mais vai ter paz na vida."