18 Out 2021

O capitão de corveta e superintendente do Porto de Santos, Valter Barros Barbosa, 55, foi assassinado na noite de quarta-feira na rodovia Régis Bittencourt, na altura de Cajati, a 250 km de São Paulo. Sua mulher, que estava no carro, não foi ferida.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, cancelou a apresentação que faria nesta quarta-feira de seu plano com diretrizes de isolamento social para estados e municípios na pandemia do coronavírus. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) reprovaram o estudo e ele não viu condições de levar o projeto adiante.

O Ministério da Saúde registrou um recorde de 881 mortes por coronavírus no Brasil em 24 horas, de segunda para terça-feira. Os mortos foram a 12.400 no total.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concedeu uma liminar nesta terça-feira que suspendeu o novo rodízio de veículos na capital paulista, decretado pelo prefeito Bruno Covas. Estavam proibidos de circular carros com placar par em dia ímpar e vice-versa. A ideia era reduzir o tráfego como parte do esforço de isolamento social na pandemia do coronavírus.

Os números do Ministério da Saúde indicam que a pandemia do Covid-19 ainda está em fase ascendente no Brasil. Com 615 mortes registradas em 24 horas, de quinta para sexta-feira, e mais de 135 mil casos, o país contribuiu sozinho com 9,2% das mortes pelo vírus em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. A curva ainda está subindo e coloca as grandes cidades brasileiras mais perto do isolamento total do que da liberação.

Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro fez uma visita teatral ao Supremo Tribunal Federal, ao lado do ministro da economia Paulo Guedes e empresários preocupados com seus negócios. Pediu ao STF planejamento para a saída da pandemia - e foi lembrado pelo presidente do tribunal, Dias Toffoli, que esse papel é do Executivo. Enquanto isso, Belém e São Luís já adotaram o lockdown total. Outros municípios do Pará e do Maranhão também estão fechados, assim como Niterói, no Rio de Janeiro (leia aqui).

A cidade de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, adotou desde esta quinta-feira o lockdown - bloqueio total, para evitar a contaminação pelo vírus corona.

A líder técnica da Organização Mundial da Saúde, Maria van Kerkhove, afirmou em entrevista à BBC que pessoas recuperadas do Covid-19 não foram reinfectadas, após semanas.

Pela manhã, a Esplanada dos ministérios acordou com um acampamento de manifestas pró-presidente Jair Bolsonaro, numa repetição do que já haviam feito militantes do PT durante a prisão do ex-presidente Lula. Mais tarde, o movimento foi encorpado por outros manifestantes, que se dirigiram ao palácio do Planalto, receberam acenos do rpesidente e agrediram jornalistas presentes para a cobertura da manifestação.

A pandemia do vírus corona entra no Brasil esta semana na sua fase crítica. Cidades como São Paulo e Rio de Janeiro passaram a ter hospitais públicos no limite da sua capacidade de atendimento em UTIs, com mais de 85% de ocupação. Pacientes começaram a ser trasladados para cidades do interior. Com a queda do cumprimento da quarentena para 48% da população, o governador paulista, João Dória, deu sinais de que não vai fazer o levantamento das restrições no estado no dia 11 de maio, como projetado, apesar da crise já instalada no comércio. Uma projeção feita por matemáticos da Universidade Federal de Minas Gerais indica que até o final de junho todos os leitos de UTI no país estarão lotados, tanto na rede pública quanto privada.