26 Fev 2020

A República promove a campanha #FimDaMiseria. Vai publicar diariamente uma foto da dramática situação dos abandonados nas ruas do país.

Leitores podem colaborar. Mande sua foto para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Identifique o local da foto e a autoria. Você poderá acessar a página Fim da Miséria no Facebook e fazer a postagem também lá.

Nosso objetivo é chamar a atenção dos cidadãos e autoridades para o alarmante abandono da população mais pobre em todo o país. Isto tem de mudar.

Contribua. Coloque o que você vê na rua para que todos vejam. É o primeiro passo para a solução.

O plenário do Supremo Tribunal Federal formou os votos necessários para declarar inconstitucional o dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal que permite aos governos reduzir a jornada de trabalho e o salário dos servidores em momentos de ajuste dos gastos com pessoal.

A ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia ddeterminou o arquivamento do pedido de abertura de uma investigação criminal contra o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, por conta de sua atuação na Operação Spoofing, que apura a invasão de celulares e obtenção de dados de autoridades por meio do aplicativo Telegram.

Lúcia acolheu o pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que não viu ilícito nas conversas de Moro ao telegram, trocadas com o procurador Deltan Dallgnol, capturadas por um hacker e reproduzidas publicamente pelo site The_Interpect, em parceria com a Folha de S. Paulo.

Durante a transferência para Belém, mais quatro presos de Altamira foram mortos dentro de um caminhão de transporte, de acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup). Assim, sobre para 62 o numero de mortos no conflito entre facções.

A Polícia Civil encerrou no dia 29 a apuração do estupro alegado pela modelo Najila Trindade sem indiciar o jogador Neymar Júnior. O inquérito seguiu para o Ministério Público, que decidirá se irá reabrir o caso ou arquivá-lo.

Em um governo cujo discurso é o de favorecer a mineração e o garimpo em terras indígenas, o presidente Jair Bolsonaro viu acender o pavio dos conflitos entre indígenas e madeireiros na Amazônia, que já deixou uma vítima e a impressão de que o Brasil retornou a disputas do Século XVI. 

A morte no Amapá do cacique Emura, líder waiãpi, foi estopim para o presidente vir em defesa das próprias ideias. "Não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá", disse Bolsonaro, antecipando a investigação com suas conclusões. "Chegaram várias possibilidades, a Polícia Federal está lá, quem nós pudermos mandar nós já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí."

Uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira, deixou nesta segunda-feira pelo menos 52 mortos, de acordo com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará. Dos mortos, 16 foram decapitados e os demais asfixiados.

O Ministério Público do Rio de Janeiro e a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas dispararam nesta terça-feira, no Rio, uma operação na qual foram presos 11 suspeitos de integrar uma milícia que controlava negócios imobiliários na Muzema e outras localidades da zona oeste da capital fluminense.

Um dos milicianos foi preso no Piauí. Em abril, dois prédios construídos clandestinamente caíram, na Muzema, com 24 mortos. Desde entao, a polícia vem procurando desbaratar os negócios clandestinos na região.

O Ministério da Saúde suspendeu ao longo das últimas três semanas contratos com sete laboratórios públicos nacionais para a produção de 19 medicamentos distribuídos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde.

No longo processo que prometem ser as consequências do estouro da barragem de Brumadinho, a Justiça estadual de Minas Gerais emitiu a primeira sentença que obriga a vale a reparar os danos causados pelo rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em janeiro deste ano, que deixou 248 mortos identificados e 22 desaparecidos. Cabe recurso da decisão.